quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Aquela lua

Aquela lua linda e formosa ,
aquela que brilha nos céus sombrios da noite ,
aquela que ilumina meu caminho perante a penumbra ,

aquela que me guia perante a luta... 

Aquele meu lobo ,
tão calmo e sereno ,
que clama por minha afeição ,
pelo aconchego dos meus braços,
aquele que me protege perante a luta
e me defende perante a penumbra

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Porque eu sei que é amor ?


  Porque nunca pedi nada em troca, muito menos provas! 
  Porque nunca nem mesmo precisei enxergar pessoalmente, para ver com nitidez.
  Porque sempre foi da minha natureza simplesmente amar.
  Porque eu sei que é para sempre, e que tem a duração para além de uma eternidade.

  Porque somente vivendo relacionamento é que eu peço o que eu posso dar.
  Porque pouco importa se você é material ou imaterial em minha vida, o amor já está aqui comigo. Enfim, eu só sei que é Amor...
  Pouco importa se vivido ou só sonhado. Eu sei - é Amor!
  Amar sempre me bastou!


segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Além de seus olhos

   Hoje cedo, estava eu a caminhar, quando me deparei com uma senhora, ela era cega!.
   Estava com dificuldades em encontrar o caminho de casa, estava desnorteada e sentindo dor e eu, observava o fluxo de pessoas que passavam por ela e nem se quer a ajudavam.
   Então, fui até ela, estendi minha mão, toquei o seu braço e perguntei "Com licença, a senhora está bem?"
   Logo pude ver o sorriso em seu rosto e em voz baixa, ela resmungou "graças a Deus"
   Voltei a perguntar como ela estava e se precisava de ajuda; ela disse que Dona Célia, era seu nome e que sentia dor e que estava exausta. "Por favor me leve pra casa?"
   "Com todo prazer, Dona Célia", respondi em seguida
   "A senhora pode me informar o nome da sua rua?"
   De início não conhecia, perguntei se havia algum ponto de referência, ela disse sobre um mercado na esquina e por coincidência, era pra lá que eu ia.
   Durante esse percurso, ela me falou sobre como é difícil ser cega, não por causa da cegueira ou por não poder enxergar, mas sim, por como ela é invisível aos olhos das pessoas.
   Isso logo me entristeceu, tentei me colocar no lugar dela, e como doeu.
   O silêncio pairava sobre nós, até o momento em que Dona Célia retornou a falar, dizendo que existem anjos e que por um acaso vem ajudá-la, e que por acaso um desses anjos, foi eu.
   Dei um sorriso de imediato, ela não viu, mas certeza que sentiu, pois sorriu comigo.
   Chegamos até a casa dela, antes de partir ela me agradeceu e pediu um abraço e eu com todo prazer do mundo, a abracei. Mas, ela novamente, refez o caminho da garagem ao asfalto, onde eu estava a observá-la; Perguntei se tinha algo errado, ela perguntou se em meu rosto podia tocar. Eu permiti. Coloquei suas mãos em meu rosto e as senti deslizarem sobre ele; foi uma das melhores sensações que já senti.
   Por fim, ela sorriu e disse "Você é linda". Eu agradeci. Antes de partir constei se estava tudo bem, e estava, então voltei ao meu caminho e claro, sorrindo. E com toda certeza, o melhor de tudo, foi aquele elogio. Por que? Porque ela não elogiou a minha aparência ou o meu rosto bonito, ela me enxergava. Dona Célia elogiou a minha alma.