terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Marvin

  As flores na janela dançam como em um baile, o vento frio de um dia cinza que conduz a dança em uma forte melodia uivante me levanto, vou ate la respirando o ar gelado que se acomoda em minha alma fria, dou uma olhada para baixo como quem procura algo que não perdeu e tudo que vi foi um ser caminhando fragilizado pelo frio, vesti a primeira coisa que encontrei e chamei a criatura que caminhava com passos mancos, era um cão ferido, pelo jeito também estava de coração mais ferido que o corpo. Entramos e depois de um banho aquecido ofereci um rango qualquer na geladeira, enquanto ele comia com um olhar desconfiado pensei que nome ele merece ter? pensei em todos nomes possíveis e improváveis mas o único que ele acetou foi Marvin, o céu ainda estava cinza porém precisávamos de uma caminhada.
  Então saímos lado a lado, para uma mesma direção pela calçada, o olhar desconfiado foi sumindo no caminho, ele corria e parava me olhava como quem estivesse pedindo para acompanhar, talvez quisesse me levar para algum lugar,  pensei "que seja", vamos ver onde isso vai dar, tentamos correr mas em alguns minutos já estamos mancando e quem passava achava graça em ver duas criaturas caminhando lado a lado do mesmo jeito.
  Perguntavam se ele me pertencia e a cada sim ele me lambia acho que era um agradecimento.
  Horas andando sem parar chegamos finalmente a um belo lugar era um parque botânico cheio de cães e seus donos, bem perto uma cafeteria simples e boêmica, ele me empurrou 
até lá e saiu correndo pelo parque. Antes que eu pudesse falar a garçonete trouxe um perfeito café, a moça estava sozinha e enquanto esperava o Marvin voltar começamos a conversar, entre conversas e cafés ele vinha pegar algo para comer e voltava ao parque para caminhar, ela disse que já o conhecia no entanto nunca o tinha visto bem, ele sempre parecia triste e deprimido como alguém de coração partido e sempre dava a ele o que sobrava de seus clientes mas ate hoje nunca o viu tao contente, contei como o conheci e os olhos dela sorriram para mim, ela olhou no relógio e disse que já era tarde, me ofereci como companhia ate aonde ela iria, dei um forte assovio e Marvin trouxe com ele uma flor na boca cheia de baba mas sem espinhos, deixou aos pês da moça que o agradeceu dando lhe um beijo, me deixando cheio de inveja, mas tudo bem ele merecia, fomos caminhando devagar até chegar em seu lar.
  Em sua porta ela ofereceu uma bebida quente antes de entrar nos viramos, cruzamos nossos olhares e compartilhamos de um arrepio que pude ver ao observar seu pescoço, naquele instante era como se o tempo tivesse parado, pude perceber que o melhor momento do beijo talvez não seja em
 si o próprio beijo e sim o momento que nos leva a ele, o momento antes dos lábios se tocarem, e após este pensamento, em fim nos beijamos, Marvin que estava a alguns passos de distância se aproximou latindo, um pouco desajeitados abrimos a porta e entramos, o final da historia não sei ao certo deixa o tempo nos contar como esse dia vai acabar.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Constante movimento

O céu de outono estava reluzente, sem qualquer nuvem aparente.

Uma bela paisagem verde se estendia de ante de mim.

O silêncio pairava enquanto observava tudo ao meu redor.

No entanto, algo parecia fora do lugar.

Não conseguia descrever o quê;

E queria descobrir o por quê.

É algo tão isento !

(Não há vento!?!)

De repente, deitei na grama que, suavemente, seduzia meus pés descalços, enquanto observava a imensidão cintilante ali presente.

Tive uma intensa sensação de pânico quando realmente notei a falta de vento. Era como se fosse a calmaria antes da tempestade.

E antes que notasse, já havia disperso os pensamentos imersos, quase apagados, naquele céu que admirava sem desviar o olhar.

Acumulava os pensamentos numa linha de raciocínio imaginária:

Não tinha nenhuma ideia de que Deus era o responsável pela criação de tudo e todos, de que os "anjos" que o serviam possuíssem emoções. E dos "poderes" que nós, humanos, possuímos.

Não conseguia pensar no surgimento do mundo após uma explosão. E sermos acidentamente criados. E da evolucao do homem, ou sobre sermos os unicos com vida em orbita do sol

Mas por não fazer nenhuma ideia, passava meus longos dias em plena paz, questionava sem obter respostas, mas entendia que viver minha vida sem saber absolutamente nada não faz com que seja fracassada.

Mas, por alguma razão, fazia ideia que precisamos do "por quê" para viver e não, necessariamente, do motivo.

Precisamos pensar se há, se houve e se vai haver.

Por muito tempo não entendia...

( Me levantei despedindo daquele majestoso cenário e me retirei calmamente)

Mas agora me pergunto:

"se houvesse resposta para tudo, o quê nos moveria?"

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Últimos Pensamentos

  Meu peito pegando fogo esfria minha alma lentamente, a angustia de respirar este ar poluído de emoções falsas me deixa doente, tento me livrar desta sensação subindo o mais alto que posso, passo pelos corredores derrubando quadros e lagrimas  afiadas como facas que vão espetando o chão, chego no telhado e a visão do alto convida a uma queda livre, sinto vontade de pular para não subir outra vez
  Penso como seria o som do impacto ao chão, o que vai acontecer quando chegar la embaixo? como é a luz no caminho do outro lado
? Será que tenho dinheiro para pagar ao barqueiro que leva para a outra margem? verifico o bolso, conto as moedas, começa a vir na mente um filme do futuro, vejo pessoas passando vendo um corpo frágil no chão cercado de vermelho, alguns olham pra cima outros ignoram o coitado estendido como tapete de urso no chão frio,  muitos passam e o chamam de fraco, outros os elogiam pela coragem esses querem fazer o mesmo mas não conseguem, outros sentem pena e soltam frases dignas de um livro de alto ajuda, muitos fotografam e fazem piadas e outros chegam para ganhar um trocado e ficarem bonitos na TV falando de mais um derrotado pela vida.
  Lagrimas caem dos meus olhos vermelhos em carne viva, tento pensar em um motivo para desistir e não consigo achar, penso se alguém sentira minha falta, mas quem ah de sentir falta de uma alma solitária? penso no que poderia fazer no futuro, mas toda esperança é destruída ao me lembrar de vozes dizendo noa vai conseguir, fecho os olhos penso no cheiro do vento chego na margem do telhado e pouco a pouco me encontro com o chão.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Velho Ano Novo

Nada como renovar o que já foi velho
Saia, ouça seu próprio eco
Procure uma mala vazia
Preencha-a de alegria
Vasculhe no jardim,
Leve consigo flores de cotidianos
Renove o estoque de amores
Permita levar do passado
Aquilo que lhe proporcionou o aprendizado
Dê mais de si
Cultive felicidade
Grandes coisas estão por vir
Então abra seus braços
e se entregue ao novo.
Sorria como uma criança,
Navegue nesse oceano.
Se permita!
Deixa para trás,
o que não nos importou
e o que não nos importa mais
Porque quando os ponteiros se tocarem,
E os fogos explodirem,
Serão mais 365 paginas de sua história
Se arrependa de algo que fez
a se arrepender de nunca ter feito
prefira se surpreender
a se garantir
mais amor quando sorrir
e quando engolir tenha calma ao mastigar
Não tenha medo da vida
Tenha o céu como medida
Pois a vida só faz valer,
Para aqueles que tem a coragem de sonhar.