segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Conto Águia Branca #01


Ola Leitores, Desta vez, Será um conto um pouco diferente dos criados até aqui. Contando com diálogos e seguindo por alguns capítulos. espero que gostem deste conto...
Agora sem mais delongas - Conto Águia Branca #01


  O Jantar

  Luminárias sobre as  mesas eram os únicos pontos de luz do restaurante Admores, localizado na região sudeste do litoral, construído sobre as montanhas era ponto turístico por sua vista ao mar, o local estava cheio, todos vestindo trajes galantes proporcionavam um ambiente romântico ao lugar.
Mark, um oficial recém promovido à gente particular do presidente teria feito reserva a cerca de oito meses no local tão disputado a uma mesa para dois ,frente ao mar. Gastou economias de dois anos para este jantar junto a amada Line, ele a conheceu em enquanto fazia uma caminhada noturna próximo à sua casa.

  - Finalmente chegamos querida. diz mark a Line.
  - Que lugar lindo mon amour. diz Line enquanto olha para o local


  Mark puxa a cadeira de Line que sorri e se senta.
  O garçom logo se aproxima, trazendo consigo o menu de vinhos e outro com as entradas, Mark aponta para um dos vinhos do menu e pede o prato da noite .

  - Belíssima escolha Sr, - diz o garçom elogiando - seu pedido chegará logo, Tenham uma ótima noite.

  Ambos acenem sorrindo enquanto o garçom se retira levando os menus.

  - Antes que ele volte, preciso fazer uma coisa.
  - Não estou compreendendo mon amour. diz Line com uma expressão de duvida.

  Mark então se abaixa para pegar sua maleta, ele a abre e retira um pequeno pacote de presente  e entrega a Line.

  - Mon amour, obrigado, não sabia que hoje era uma data especial, não te comprei nada.
  - Hoje não e nenhuma data especial, não ainda - diz Mark sorrindo.
 
Line começa a abrir o pacote lentamente e antes de puxar o ultimo laço caixa se abre, um coelho salta da caixa assustando Line que grita. No entanto logo observa o coelho, algo em sua boca brilha, ela coloca sua mão, é um anel de perolas, Antes de poder reagir Mark segura a mão.

  - Case-se comigo. diz Mark com seus olhos em lágrima - Você me transmite sorte, desde que nos encontramos não parei mais de sorrir, você é meu melhor momento.  Line ainda envergonhada olha para Mark, suas bochechas estão rosadas.

  - Si..

  -Oficial ! - interrompe dois homens altos de ternos que andam ate a mesa

  - Precisamos interrogar a mulher que está com o senhor. - diz um deles
  - Como assim? Quem os mandou aqui? - Grita Mark enfurecido
  - Estou com medo... diz Line com um olhar assustado segurando o braço de Mark como forma de proteção.

 - Por favor. Nos só precisamos fazer algumas perguntas... - diz um dos agentes.

Rapidamente Line que segurava Mark, puxa de sua perna uma lâmina e a coloca sobre a garganta de Mark.

  - Q... Querida !! - diz Mark sem entender a situação,

Os dois homens de ternos retiram suas armas da cintura, mas antes que possam mirar Line pressiona ainda mais a lâmina ao pescoço de Mark

 - Não se aproximem. - diz Line com um sorriso no rosto
 - Por que esta fazendo isso Querida . . . ? - diz Mark ainda inconformado com a situação.
 - Calado!! Se abrir o bico de novo vou quebrar todos os seus dentes ! - diz Line em voz alta

Mais agentes chegam ao local agora cobrindo cada  saída.

 - Ora, Ora. Parece que estou cercada!
 - Águia Branca ! Renda-se e liberte o oficial ! diz um dos dos agentes se aproximando da mesa
 - Foi divertido . . .- diz Line - Mas as informações que suguei de você não eram muito digamos nutritivas, mon amour.


 Line sorri para Mark, aproximando de seu rosto o beija, Mark que fica paralisado tentando falar alguma coisa. Mas Line segurando a lâmina em seu pescoço faz um movimento rápido que abre sua garganta fazendo jorrar sangue.

- Capturem-na !!! - Grita o agente.

Line empurra Mark, engasgado com o próprio sangue cai morto sobre os dois agentes mais próximos. Line salta para atras antes que os demais possam a acertar com tiros,

 - Ate mais - diz line com braços abertos antes de seu corpo cair ao mar.

 Os agentes mais próximos vão até a beira, Mas line Some no Mar. . .

( continua).